Leucemia é uma doença que se caracteriza pelo acúmulo de células anormais, que não completaram a sua maturação na medula óssea.

É na medula onde se formam as células sanguíneas. Essas células são diferentes no aspecto e não funcionam normalmente.

A presença das células anormais prejudica ou impede a formação na medula, dos glóbulos brancos (responsável pela defesa do organismo contra infecções), glóbulos vermelhos (que levam oxigênio dos pulmões para abastecer os tecidos) e plaquetas (células especializadas em estancar sangramentos).

Daí o aparecimento dos principais sintomas: anemia, infecções e hemorragias. A leucemia progride rapidamente e o tratamento deve ser iniciado imediatamente após o diagnóstico.

Classificação

Podemos classificar a leucemia em basicamente dois tipos: mielóide e linfóide. De acordo com o grau de maturação das células defeituosas a leucemia é classificada em subtipos que facilita o estudo da evolução da doença e resposta a novos tratamentos.

  • Leucemia linfóide
    É o tipo mais comum em crianças correspondendo a 75% das ocorrências. Conta com alto índice de cura que chega a 80% dos casos.
  • Leucemia mielóide
    Menos comum em crianças com índice de ocorrência em torno de 25% do total de casos de leucemia infantil.

Principais Sintomas

Alguns dos principais sintomas apresentados são comuns a doenças mais simples.

Por isso é importante ao identificar esses sinais, que se procure orientação médica para que se possa fazer o diagnóstico correto.

  • Falta de apetite;
  • Comprometimento das ínguas;
  • Aumento do baço e fígado;
  • Dor nos ossos ou nas articulações;
  • Palidez;
  • Manchas arroxeadas;
  • Sangramentos não ligados a traumas e febre;
  • Febre.

(Fonte: INCA – Adaptado por Dr. Francisco Pedrosa, oncologista pediatra – CRM 1464)