A medula óssea é o material encontrado no interior dos ossos, também conhecido popularmente por Tutano, que tem a função de produzir 3 tipos de células sanguíneas:

  • Hemácias (glóbulos vermelhos)
    Responsável pelo transporte do oxigênio dos pulmões para os tecidos e da retirada do dióxido de carbono deles para ser eliminado pelos pulmões.
  • Leucócitos (glóbulos brancos)
    Celulas responsáveis pela defesa do organismo contra infecções.
  • Plaquetas
    Compõem o sistema de coagulação do sangue que previnem hemorragias.

O Transplante de Medula Óssea

O tratamento se resume em substituir uma medula doente por uma outra saudável. Pode ser indicado para o tratamento de várias doenças entre eles: Leucemia, Linfomas e tumores sólidos.

O procedimento consiste na retirada de uma pequena quantidade de medula óssea do doador em sala cirúrgica, por meio de seringas e agulhas especiais, que será transplantada, na forma de transfusão, pela veia do receptor.

Compatibilidade

Para se fazer o tratamento é essencial que haja total compatibilidade entre o doador e o receptor, para evitar a rejeição da medula transplantada.

A compatibillidade é determinada através de testes em laboratório, chamados de testes de histocompatibilidade, a partir de amostras de sangue do doador e do receptor.

Tipos de Transplante

O tipo de tratamento a ser adotado depende de fatores como a existência ou não de um doador, o tipo de doador e do diagnóstico.

Existem três tipos de transplante de medula óssea:

  • Alogênico
    Transplante de um doador compatível aparentado (especialmente irmãos) ou não-aparentado.
  • Singênico
    Transplante entre irmãos gêmeos univitelinos (gêmeos idênticos), cujas medulas são geneticamente idênticas.
  • Autólogo
    Neste tipo de transplante o doador é o próprio receptor.Parte da medula é retirada, quando ainda não está comprometida pela doença, congelada e armazenada para ser transplantada no próprio paciente.

(Fonte: INCA – Adaptado por Dr. Francisco Pedrosa, oncologista pediatra – CRM 1464)